Fugas - vídeos

Josep já voou no Kilimanjaro, mas os Açores são especiais

Se olharmos para o currículo de Josep Maria Llado, piloto de balões há mais de 30 anos, a ilha de São Miguel pode não parecer um grande desafio.

Este piloto catalão já sobrevoou o Kilimanjaro, o deserto do Sara, o Pólo Norte. Mas voar nos Açores, mais precisamente no concelho de Ribeira Grande, em São Miguel, é “muito especial”, revela.

Esteve o ano passado na primeira edição do Festival Rubis Balões Ar Quente Ribeira Grande e o clima, a natureza e os voos que fez bastaram para convencê-lo a voltar à segunda edição, que decorreu entre 13 e 17 de Julho

A ele e à sua mulher, Maria Neus, peça essencial nestes voos como equipa de terra. Josep sabe que pode contar com ela para o encontrar onde quer que o vento o leve.

E o vento consegue ser bastante surpreendente, como um par de dias em São Miguel nos bastou para perceber. Durante dois dias seguidos, os dois voos diários agendados (um deles logo às 6h30 e outro ao final da tarde) foram sempre cancelados depois de não terem sido encontradas as condições ideais para subir aos céus micaelenses.

É essa imprevisibilidade que fascina Josep Maria e que aguça a capacidade de improviso durante os voos. Não é possível dirigir o balão de ar quente, apenas subir e descer, e durante mais de meia hora subimos e descemos com Josep Maria num voo que nos levou da Ribeira Grande até à costa Sul da ilha.

O PÚBLICO viajou a convite do II Festival Rubis Balões Ar Quente Ribeira Grande.  

Outros vídeos

--%>