Fugas - notícias

  • DR
  • DR
  • DR
  • DR
  • DR
  • DR
  • DR
  • DR
  • DR
  • Praia de Leça
    Praia de Leça DR/CMM
  • C.M Matosinhos

Na Piscina das Marés mergulha-se em monumento nacional por Siza

Por Carla B. Ribeiro

A Piscina das Marés, oásis junto ao mar de Leça da Palmeira e classificado como Monumento Nacional, já está aberta a mergulhos e a postos para celebrar o aniversário de Álvaro Siza Vieira que completa esta terça-feira, 25 de Junho, 80 anos.

A Piscina das Marés reabriu no domingo, 23 de Junho, e permanecerá disponível ao público até pelo menos 15 de Setembro das 9h às 19h (o bar encerra pelas 2h); depois dessa data poderá permanecer aberta a banhos, “dependendo das condições meteorológicas e da afluência”, informou a empresa municipal Matosinhos Sport. No ano passado, por exemplo, encerrou a 30 de Setembro e contabilizou mais de 50 mil visitas.

O valor das entradas varia consoante a duração da visita (meio dia ou um dia), o dia da semana e a idade, podendo custar entre 2€ e 8€. Incluídas neste preço estão as actividades de fitness dentro de água que serão realizadas ao longo de toda a temporada. Porém, não é preciso molhar-se para cuidar do corpo: no exterior, um terreno servirá de palco a uma panóplia de actividades físicas (quem quiser participar sem ir à piscina não paga).

80 anos de Siza Vieira

A Piscina das Marés, classificada como Monumento Nacional, é um destino a ter em conta assim que as temperaturas começam a aumentar.  Mais ainda esta semana, em que a piscina entra em festa para comemorar os 80 anos do seu “progenitor”: Siza Vieira faz anos esta terça, 25 de Junho, e a celebração está agendada para sexta-feira, 28 de Junho, com a exibição da premiada curta-metragem “Sizígia”, de Luís Urbano: duas sessões, a arrancar às 21h30, com entrada gratuita.

“Sizígia”, que tem como actor principal o complexo da Piscina das Marés, é, lê-se na ficha do Festival Indie, “mais do que um registo sobre uma obra de arquitectura”. “É um filme que explora os conceitos de espaço e som. Um filme sobre um lugar e as suas entranhas, construído com a solidez de planos rigorosos.”

Tudo começou em 1959, como se pode ler no livro "Piscina na Praia de Leça de Palmeira” (Lisboa, 2004, Editorial Blau, Lda.), por um tanque paredes-meias com o Atlântico, num projecto executado pelo engenheiro Bernardo Ferrão: uma piscina rectangular de 20 por 33,33 metros que pudesse usufruir da renovação de água a cada maré cheia. Depois, tendo em conta o impacte do projecto no urbanismo, Ferrão propôs a contratação de um arquitecto.

Foi o então jovem Álvaro Siza Vieira o escolhido. De imediato, propõe-se a destruir parte do tanque, delimitando, do lado do mar, a área balnear com as rochas graníticas existentes. A parede é de facto destruída, deixando as rochas à vista, mas a ideia de uma piscina ao sabor da maré é posta de parte por razões higiénicas e topográficas.

Siza continua a desenvolver um projecto que, entre 1961 e 1964, passa a incluir as instalações necessárias para o funcionamento da piscina (já a entrada da água do mar passa a ser feita por um poço de filtragem) e, entre 1966 e 1973, é alargado. A obra, que demorou 14 anos, acabaria por ser proclamada Monumento Nacional em 2011.

Leça de Siza

Por Leça da Palmeira, o nome de Álvaro Siza Vieira não é apenas associado à Piscina das Marés. Outra obra com o seu dedo é a piscina da Quinta da Conceição, inaugurada em 1965 e que, depois de alguns anos sem qualquer utilização, vai reabrir ao público. Segundo a Matosinhos Sport, responsável pelas obras de recuperação e pela gestão desta piscina localizada num espaço nobre de lazer do concelho, a abertura deverá ocorrer nos primeiros dias de Julho.

--%>