Fugas - Viagens

  • Pôr-do-sol no Pico da Barrosa
    Pôr-do-sol no Pico da Barrosa João Silva
  • Lagoa das Sete CIdades
    Lagoa das Sete CIdades João Silva
  • Na doca de Ponta Delgada
    Na doca de Ponta Delgada João Silva
  • Na doca de Ponta Delgada
    Na doca de Ponta Delgada João Silva
  • Banho termal no Terra Nostra
    Banho termal no Terra Nostra João Silva
  • Banho termal no Terra Nostra
    Banho termal no Terra Nostra João Silva
  • No Parque Terra Nostra
    No Parque Terra Nostra João Silva
  • Gorreana, plantação de chá
    Gorreana, plantação de chá João Silva
  • Gorreana, plantação de chá
    Gorreana, plantação de chá João Silva
  • Fábrica de Chá Gorreana
    Fábrica de Chá Gorreana João Silva
  • Furnas
    Furnas João Silva
  • Furnas
    Furnas João Silva
  • Furnas
    Furnas João Silva
  • Furnas, o famoso cozido
    Furnas, o famoso cozido João Silva
  • Furnas, cozer ovos
    Furnas, cozer ovos "vulcânicos" para o lanche João Silva
  • Na Cerâmica Vieira
    Na Cerâmica Vieira João Silva
  • Na Cerâmica Vieira
    Na Cerâmica Vieira João Silva
  • Na Caloura
    Na Caloura João Silva
  • Pescadores na zona da Caloura
    Pescadores na zona da Caloura João Silva
  • Caloura, piscina natural
    Caloura, piscina natural João Silva
  • Vista da Caloura
    Vista da Caloura João Silva
  • Uma viagem de barco para observação de baleias, cachalotes ou golfinhos
    Uma viagem de barco para observação de baleias, cachalotes ou golfinhos João Silva
  • E, por fim, durante uma viagem de barco para observação de baleias, cachalotes ou golfinhos ..
    E, por fim, durante uma viagem de barco para observação de baleias, cachalotes ou golfinhos .. João Silva
  • Vista do Pico da Barrosa
    Vista do Pico da Barrosa João Silva
  • Vista do Pico da Barrosa
    Vista do Pico da Barrosa João Silva

Açores, verde esperança

Por Mara Gonçalves

Os céus do arquipélago abriram-se a novos voos com a chegada das 'low cost' a Ponta Delgada e São Miguel pulsa de esperança. Fomos correr os ex-líbris da maior ilha açoriana e medir o optimismo cauteloso que se vive.

“Está uma nuvem muito cerrada a cobrir a ilha toda, mas tanto está assim como desaparece a seguir. É por isso que somos uma ilha muito verde.” Da janela do avião já se vislumbra São Miguel e Teresa, 55 anos, ora segue levantada no corredor ora virada para a fila de trás, os olhos sempre colados a casa, guiando os amigos pelo cenário que se pinta naquele recanto a meio do Atlântico, os seus humores e pormenores. “O prédio mais alto que vêem ali em Ponta Delgada é o Solmar [o primeiro centro comercial da cidade].”

Teresa é natural da freguesia de Achada, no Nordeste da ilha, mas vive em Alverca “há 30 e tal anos”. Há mais de um ano que não vinha a casa. Hoje regressa para mostrar a ilha a uma família amiga. “Tinha prometido que quando viessem aos Açores vinha com eles para lhes mostrar tudo”, conta. “Há coisas tão bonitas que as pessoas geralmente não chegam a conhecer”, lamenta, enumerando alguns dos ex-líbris da região Este da ilha (o Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões, com os seus “moinhos e quedas de água”; o Nordeste, com os seus miradouros e floridos de hortênsias, azáleas e conteiras — “que chupávamos quando éramos pequenos porque era muito doce”; o Sanguinho e o Salto do Prego, na freguesia de Faial da Terra), regressando minutos depois para nos revelar mais dicas transbordadas de orgulho pela ilha-natal.

Infelizmente, as 48 horas que estaremos em São Miguel não chegarão para descobrirmos nenhuma das suas sugestões, mas acreditamos que a amiga, Maria Ausenda Soeiro, e a família não poderiam ter ficado em melhores mãos. O voo inaugural da easyJet para Ponta Delgada foi também uma estreia especial para esta septuagenária e para o marido, Álvaro, de 72 e 73 anos respectivamente: viajaram pela primeira vez de avião. “Foi espectacular, muito calmo”, descreve o casal natural de Lamego, a viver em Lisboa há mais de 50 anos. “Nunca tinha conseguido [andar de avião] porque tinha muito medo, mas os meus filhos pediram tanto”, conta Maria Ausenda, já no Aeroporto João Paulo II. Gostavam de “ir às ilhas todas”, “de barco”, mas a semana de férias ficar-se-á por São Miguel — a maior ilha do arquipélago e a principal porta de entrada nos Açores — com Teresa, os filhos, a nora e o genro.

No total, seguiam 172 passageiros a bordo do Airbus A320 da easyJet, que às 9h05 (mais uma hora em Portugal Continental) aterrava em Ponta Delgada, oficializando assim a liberalização das ligações aéreas entre os Açores e o continente. “Hoje concretiza-se aquilo que é a maior reforma de sempre ao nível das acessibilidades da região”, defenderia minutos depois o secretário regional do Turismo e dos Transportes dos Açores, Vítor Fraga, na pequena cerimónia de celebração no aeroporto, que ia recebendo quem chegava com cantares, danças e iguarias regionais.

A liberalização das rotas para Ponta Delgada (São Miguel) e Angra do Heroísmo (Terceira) marca o fim do monopólio TAP e SATA nas ligações ao continente e a entrada das companhias aéreas de baixo custo no arquipélago (para já apenas com ligações a São Miguel). A easyJet tem desde 29 de Março três voos semanais entre Lisboa e Ponta Delgada (mais um a partir de Junho), enquanto a Ryanair arrancou no início do mês com duas ligações diárias a Lisboa e uma ao Porto (e, a partir de hoje, um voo semanal Ponta Delgada-Londres). A TAP também reforçou a oferta para a maior ilha açoriana, passando a sete ligações semanais, enquanto a SATA diminui-a, apostando para já nos voos para a Terceira e assegurando em exclusivo as rotas não liberalizadas e sujeitas a obrigações de serviço público (Faial, Pico e Santa Maria).

--%>